Pele nova com peeling

O uso da toxina botulínica tipo A em estética
3 de junho de 2016
Laser capilar: tratamento para calvície
13 de junho de 2016
Mostrar todos

Pele nova com peeling

Alguns peelings são indicados para quem sofre (ou sofreu) com as espinhas – com agentes secativos, diminuem o processo inflamatório e combatem as cicatrizes deixadas pela acne. Outros trazem ativos clareadores para suavizar as manchas de sol. Ainda existem os que estimulam o colágeno e, assim, retardam linhas finas e flacidez. Tem também aquele que vai dar uma levantada na expressão para você chegar renovada a uma festa importante.

Isso só é possível graças à variedade de opções, que se diferenciam pela substância utilizada ou pela profundidade de ação do procedimento. Melhor: diferentemente do que acontecia há alguns anos, o peeling traz menos desconforto durante e depois da sessão. Em alguns casos, como o de diamante, cristal ou vinho, pode ser feito até na hora do almoço, pois não deixam o rosto vermelho demais, descamado ou com casquinhas.

 O procedimento pode ser feito para Linhas finas, Cicatriz de acne, Manchas e Sardas, Cravos, Flacidez e Aspecto Cansado

Muitos cuidados, antes e depois
Com exceção do peeling de vinho, que funciona como uma máscara de luminosidade, os tratamentos  exigem atenção antes e depois do procedimento. Primeiro, saiba que vai precisar recorrer a cremes à base de ácidos ou de substâncias despigmentantes. Os cosméticos (manipulados ou não) agem como coadjuvante do tratamento estético e são fundamentais para garantir e prolongar o resultado. Após a sessão, os cuidados devem ser redobrados.

A palavra peeling, que vem do verbo inglês to peel, significa descascar. Logo, o rosto estará sensibilizado. Isso significa que ele reage, inflamando, a qualquer coisinha. Entre os piores vilões, está sempre o sol. “Por isso, o inverno é a melhor época para aderir ao tratamento”, explica o dermatologista Jardis Volpe, de São Paulo.

Mesmo assim, o protetor solar continua sendo essencial. “Muita gente que trata mancha acaba ganhando uma marca ainda mais escura porque não usa filtro solar depois”, alerta a dermatologista Fabiana Simões Pietro. O ideal é usar produtos que agem contra os raios UVB e UVA (confira no rótulo) e com FPS, no mínimo, 60. Se ele tiver cor de base, melhor ainda. A tonalidade funciona como um filtro físico, refletindo os raios solares, e, de quebra, ainda disfarça descamação e vermelhidão como uma maquiagem.

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br/