Radiofrequência: tratamento estético é indicado para rugas, flacidez, gordura localizada e celulite

Rejuvenescimento 3D reduz sinais da idade de uma só vez
9 de dezembro de 2015
Conheça a Endermologia, o tratamento para a celulite
4 de janeiro de 2016
Mostrar todos

Radiofrequência: tratamento estético é indicado para rugas, flacidez, gordura localizada e celulite

O que é radiofrequência

A radiofrequência  foi usada pela primeira vez no século XIX pelo físico francês Jacques-Arsène D’Ansorval e vem sendo utilizada ate hoje nas práticas da dermatologia estética. A radiofrequência tornou-se um padrão de tratamento estético com muitas indicações, devido à sua versatilidade, eficácia e segurança.

A técnica age através da geração de calor no tecido embaixo da pele, que induz a produção de novas fibras de colágeno e melhora o aspecto da pele. “Para isso, são emitidas correntes de alta frequência, que contam com uma tensão aproximada de 30.000 a 40.000 Volts e com frequência de 1560 a 200 kilohertz”, explica a dermatologista Ana Paula Jordão.

Indicações da radiofrequência

“Dentre as indicações mais comuns para a radiofrequência, estão: melhora da flacidez da pele, redução de rugas, redução da celulite, tratamento de cicatriz de acne e estrias”, explica a dermatologista Elvira Cancio Assumpção, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Como é feita a radiofrequência

Inicialmente a pele deve ser higienizada com água e sabonete ou óleo de limpeza. Em seguida será aplicada vaselina na área a ser tratada caso seja parte do corpo ou gel de condução quando a área de tratamento for facial. Através dos aplicadores posicionados na pele, são realizados disparos de radiofrequência no local tratado. Após se retira o material aplicado e termina a sessão.

A técnica não é invasiva e causa efeitos apenas na área de tratamento. O objetivo de cada sessão é elevar a temperatura da pele e do tecido subcutâneo até 39°C a 42°C e mantê-la por um período de 14 minutos. Após o tratamento é retirado o gel ou a vaselina da pele.

O transdutor (ponteira) deve ser movimentado o tempo todo a fim de distribuir bem o calor por toda a pele. Durante o tratamento é medida a temperatura da pele diversas vezes para garantir que ela chegue a 40-42 graus Celsius e não ultrapasse esse nível de temperatura. A radiofrequência pode ser realizada em todas as regiões do corpo e face, exceto região da tireoide.

Atuação na gordura localizada

O calor profundo, proporcionado pela radiofrequência, atua na célula de gordura, melhorando seu metabolismo, aumentando a oferta e a difusão de nutrientes, diminuindo o estoque de energia (triglicérides) e contribuindo para a redução de seu volume.

Atuação na celulite

A radiofrequência atua na inflamação causada pela celulite no tecido adiposo. Com a melhora da gordura localizada, um dos pilares para a formação da celulite, acontecerá a melhora do aspecto da celulite. Em adição, em técnicas em que o vácuo está associado o método funciona também como uma drenagem linfática, contribuindo para a redução de toxinas nos tecidos.

Atuação no colágeno

O aparelho de radiofrequência aquece o tecido através da corrente elétrica, ocorrendo a produção da temperatura acima do normal, que gera a contração imediata do colágeno e remodelação da fibra de colágeno e elastina já existentes. Após o tratamento observa-se o estímulo dos fibroblastos para produção de novo colágeno.

Terapias combinadas

Atualmente existem equipamentos de radiofrequência que trazem outras tecnologias associadas para potencializar o efeito da radiofrequência como o vácuo, que maximiza a penetração da energia na área tratada, aumenta a circulação local, estimula a drenagem linfática e contribui na redução do volume da célula de gordura.

Cuidados após a radiofrequência

Aspecto da pele

Logo após a radiofrequência, a pele ficará com uma leve vermelhidão e inchaço suave a médio. Pode ainda haver urticária – caracterizada por vergões vermelhos e salientes na superfície da pele que geralmente provocam coceira – e marcas arroxeadas na pele. Pode ainda acontecer alergia à substância utilizada (o gel ou a vaselina). Todos esses efeitos colaterais são transitórios

Proteção solar

O protetor solar é recomendado todos os dias, mas deve ser aplicado depois de pelo menos uma hora da realização do procedimento.

Cosméticos

O uso de cosmético e maquiagem está liberado uma hora após o procedimento.

Contraindicações

Qualquer doença de pele na área tratada, uso de marca-passo, desfibrilador, ou qualquer implante eletrônico contraindica o tratamento com radiofrequência. Coagulopatias, sangramento excessivo ou hematomas, histórico de trombose profunda e uso de medicamentos como anticoagulantes e corticoides de modo contínuo e uso de isotretinoína nos últimos seis meses também impedem o método.

Pessoas com tumores malignos ativos ou recentes, doenças da tireoide descontrolada, qualquer histórico de doenças estimuladas pelo calor, como a herpes, no local a ser tratado, desordem endócrina, como diabetes e HIV também não podem passar por sessões de radiofrequência. Além disso, mulheres que usam o método anticoncepcional DIU são contraindicadas à técnica para a região abdominal.

O tratamento com radiofrequência não deve ser feito em regiões com implantes sintéticos, sobre tatuagens ou maquiagem definitiva. Após aplicação de botox, é necessário aguardar pelo menos quatro dias para fazer a radiofrequência, após preenchimentos e peeling químicos deve-se aguardar duas semanas. Após peeling profundo e procedimentos com laser é necessário esperar um mês.

Resultados

Os resultados são rápidos e progressivos e começam a aparecer a partir da terceira sessão, dependendo de vários fatores, como idade, local de aplicação, grau de flacidez, número de sessões e manutenção dos resultados obtidos.

Fontes
Dermatologista Ana Paula Jordão (CRM: 134.367), da Clínica Vivid
Dermatologista Elvira Cancio Assumpção (CRM: 138.220), membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.