Dicas de Nutrição Estética

Carboxiterapia, tratamento que elimina gordura e celulite
28 de junho de 2016
Mormaço também queima
14 de julho de 2016
Mostrar todos

Dicas de Nutrição Estética

Existem alguns preceitos básicos envolvidos na promoção e manutenção da beleza, assim como na prevenção e no tratamento de desordens estéticas, relacionadas principalmente à forma corporal, cabelos, unhas e pele. Neste sentido, disponibilizamos as “Dicas de Nutrição para a Estética”, contemplando aspectos essenciais que devem ser considerados.

Atuação do Nutricionista no âmbito das cirurgias plásticas

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), este termo é definido como uma especialidade cirúrgica encarregada de reconstruir o tecido corporal e facial que, devido a doenças, defeitos ou transtornos, requeiram remodelação, seja proporcionando ao paciente uma aparência o mais próxima possível do normal, seja reparando sua capacidade de funcionamento.

Os períodos pré e pós-cirúrgico requerem cuidados especiais, seja no preparo do indivíduo para o futuro procedimento cirúrgico, seja para promover sua recuperação, cicatrização de lesões, saúde e bem-estar após a cirurgia. Neste contexto, uma alimentação adequada mostra-se imprescindível, e determinadas condutas, alimentos (incluindo os chás), suplementos e espécies em fitoterapia são indicadas.

Atenção ao estado nutricional no período pré-cirúrgico

O estado nutricional é um dos fatores independentes que mais influenciam nos resultados pós-cirúrgicos em cirurgias eletivas. Indivíduos que encontram-se desnutridos ou sob risco de desnutrição parecem apresentar maiores repercussões na resposta orgânica ao trauma operatório, por isto, uma alimentação variada e equilibrada em calorias, macro e micronutrientes é essencial.

Alimentos com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias

Tendo em vista a necessidade da inflamação inicial para ativação das próximas etapas da cicatrização, justifica-se, após a fase inflamatória, a utilização de substâncias anti-inflamatórias e antioxidantes, tendo em vista a redução da liberação de citocinas pró-inflamatórias e proteção à possíveis danos celulares. Dentre as substâncias antiinflamatórias, encontram-se o ômega-3 (encontrado em peixes de águas frias, como salmão, atum, sardinha, arenque; frutos secos oleaginosos, como as nozes, castanhas, macadâmia, linhaça e chia; e vegetais folhosos verde-escuros) e substâncias bioativas encontradas em alimentos como chá verde, alho, aveia, vegetais crucíferos, soja e tomates. Importantes compostos antioxidantes, por sua vez, podem ser obtidos pela ingestão do açafrão (ou cúrcuma) (também anti-inflamatório), azeite de oliva extra virgem, alguns tipos de chás, frutas cítricas (limão, laranja, goiaba, etc.), frutas vermelhas (amora, mirtilo, cereja, açaí etc.), uvas roxas com sementes e cacau.

Índice Glicêmico e Carga Glicêmica

Considerando o estado de resistência periférica à insulina (hiperglicemia não glicídica) comum ao período pós-cirúrgico, sugere-se a ingestão de alimentos com baixo Índice Glicêmico (IG), tais como laticínios, algumas frutas (maçã, damascos, pêra, cereja, melão), feijões, lentilha e ervilhas, verduras, alguns legumes (espinafre, brócolis, alcachofra, repolho, aipo, couve, berinjela, alface), cereais integrais e nozes. Já os alimentos de alto índice glicêmico, representados principalmente pelos cereais refinados (pães e massas brancas), doces e açúcares, devem ser evitados. Além disso, destaca-se a importância de considerar a Carga Glicêmica (CG) dos alimentos e refeições, a qual quantifica o efeito total de uma determinada quantidade de carboidrato sobre a glicose plasmática, representando o produto do IG de um alimento pelo seu conteúdo de carboidrato disponível. Deste modo, percebe-se que um alimento pode apresentar um índice glicêmico elevado, mas carga glicêmica baixa, como é o caso da melancia, que apresenta IG = 72 (alto) e CG = 4 (baixa) em uma porção de 120g, resultando em pequena elevação das concentrações plasmáticas de insulina e glicose.

Probióticos, Prebióticos e Simbióticos

Os probióticos e prebióticos, através da regulação da microbiota intestinal, auxiliam no tratamento da constipação intestinal, na promoção da absorção de nutrientes provenientes da dieta (essenciais no cuidado pré-cirúrgico e no período de recuperação pós-cirúrgico), no reforço do sistema imunológico, na redução do risco de infecções bacterianas e na modulação da produção de citocinas e fatores de crescimento, com redução de reações inflamatórias.

Matéria extraída do site: http://zip.net/bvtplt